Modernidade, Ética e Profissionalismo ao seu alcance

No Laboratório Analisa, você encontra o que há de mais moderno em tecnologia de Análises Clínicas.

Notícias › Proteja o seu coração.

Ele é o responsável por manter o corpo em pleno funcionamento e, não por acaso, as complicações cardíacas são as principais causas de morte. Felizmente, com mudanças de hábitos simples, é possível dar ao seu coração todos os cuidados que ele merece.

No Brasil e no mundo, os males do coração ainda são os maiores vilões da longevidade, levando a um número espantoso de desfechos desfavoráveis. Só para se ter uma ideia, no último levantamento feito pelo Datasus, as doenças cardiovasculares foram as responsáveis pelo maior número de óbitos no País, chegando a responder por 28% das mortes. Os problemas mais comuns são os derrames e os infartos, que correspondem a 31% e 30% dos óbitos, respectivamente. Outro problema prevalente no Brasil é a hipertensão arterial, que acomete 22,7% da população e aumenta muito os riscos de complicações cardiovasculares. "Tudo isso se deve ao estilo de vida moderno, que inclui sedentarismo, alimentação irregular e rica em gorduras e sal", explica o cardiologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FCMMG), Márcio Kalil. E a tendência é que, num futuro próximo, esse cenário fique ainda pior, se não acontecerem mudanças importantes. "Até 2050, o Brasil poderá ocupar a posição de liderança em relação às mortes provocadas por doenças cardiovasculares", afirma Ricardo Pavanello, cardiologista e coordenador de pesquisa da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp). Assim, não restam dúvidas de que buscar a informação adequada para adotar estratégias preventivas é um ótimo negócio para quem quer viver mais e melhor. A parte boa da história é que, para manter o coração a salvo, pequenas intervenções rendem grandes ganhos à saúde. Conheça as estratégias certeiras para minimizar os riscos e comece a colocar em prática já!

Até 2050, o Brasil poderá ocupar um preocupante primeiro lugar em relação às mortes provocadas por doenças cardiovasculares.

Não exagere na comida

Além de escolher bem o tipo de alimento que vai à sua mesa, é preciso acertar na quantidade na hora de fazer o prato. O excesso de calorias leva ao sobrepeso, à obesidade e a uma série de doenças crônicas, como a pressão alta e o diabetes, que fazem o risco cardiovascular disparar. Assim, é preciso garantir que estamos comendo exatamente o que o corpo precisa para funcionar. Nem mais, nem menos. Nesse sentido, contar com uma consultoria nutricional será um diferencial. Porém, uma regra prática pode ajudar. "Para determinar a quantidade ideal de carne vermelha, consuma o equivalente ao tamanho da palma da sua mão. O filé de peixe ou de frango pode ocupar a mão inteira. Depois, basta adicionar 4 col. (sopa) de arroz ou massa, 1 concha de leguminosas como o feijão e a lentilha e salada à vontade", indica a nutricionista da Sabor Integral Consultoria em Nutrição Paula Fernandes Castilho.

Conheça o seu fator de risco

Existem fatores que podem ou não ser modificados. Entre eles estão a idade, o gênero e o histórico familiar. Já a pressão e o colesterol altos, o tabagismo, o sedentarismo, o diabetes tipo 2, a obesidade, o estresse, o excesso da ingestão de álcool e sal e gorduras podem ser driblados. Consulte o cardiologista uma vez por ano. Ele analisará os fatores que podem ter relação com a saúde cardiovascular e avaliará o seu tipo de risco, utilizando exames laboratoriais que endossarão essa opinião. Com base nesses dados, o médico vai dar uma orientação mais geral sobre o que você precisa mudar. Esse é, portanto, o primeiro passo para se proteger.

Mantenha a pressão sob controle

A hipertensão aumenta a prevalência de AVC em 40% e de infartos em pelo menos 25%. Portanto, manter os níveis da pressão arterial abaixo de 14 por 9 contribui para evitar o desenvolvimento de lesões no coração e também em outros órgãos, como o cérebro, o rim e a retina. Mudanças nos hábitos de vida muitas vezes são suficientes para ajudar a controlar a pressão, como tirar o sal da comida. Em geral, o brasileiro consome o dobro da quantidade recomendada, que é de seis gramas ao dia. No entanto, em casos específicos, é preciso recorrer à medicação. Daí a importância de se consultar o médico e fazer o acompanhamento regularmente.

Consuma mais peixes

Os peixes de água fria são ótimas fontes de ômega-3, gordura saudável que tem ação comprovada sobre a saúde do coração, já que contribui para reduzir os níveis de triglicerídeos e colesterol no sangue. "A consequência direta é o aumento da fluidez sanguínea e a redução da pressão arterial", diz Patrícia Bertolucci, nutricionista da PB Consultoria em Nutrição. Os peixes mais indicados e fáceis de serem encontrados por aqui são a cavala, a sardinha, o salmão, o arenque e o atum. Eles devem ser consumidos no mínimo duas vezes na semana, cozidos, grelhados ou assados.

Parceiros

CSV - Central Sorológica de Vitória
Laboratório Alvaro
Laboratório Hermes Pardini
Desenvolvidor por: cassianodesigner.com